quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Chateado

Uma coisa me deixou mais chateado do que a derrota da seleção brasileira feminina para os EUA na final olímpica (para muitos isso não é possível, mas para mim foi): alguns comentários que li na Internet acerca da final.

Por saber que elas passaram por tantas dificuldades (que a seleção masculina, por exemplo, não passa) até chegarem numa final olímpica pela 2º vez consecutiva, chega a ser desagradável ler a todo instante comentários de que elas são verdadeiras “amarelonas” e “losers”.

Tudo bem, pode até ter havido certa afobação na hora de decidir, ou faltado fôlego no final do jogo. Infelizmente, talvez ainda falte um pouco mais de experiência ao time nas decisões. O que, até certo ponto, poderia ter sido resolvido se as jogadores fossem mais rodadas, se houvesse mais estrutura, com times de base, profissionais e campeonatos a serem disputados.

Mas, pelo menos para mim, amarelão não é isso, e sim quem mostra medo, apatia, falta de combate e vontade de vencer em campo. E isso aí foi tudo o que a seleção de Marta e cia não mostrou em campo hoje, já que foi um time aguerrido e tentou de tudo, mesmo esbarrando às vezes na goleira adversária, às vezes em si mesmo. Perdemos, mas pelo menos lutando e tentando muito. E mais, a derrota foi para uma seleção competente que não chegou na final por acaso; não foi nenhuma Grécia-2004 da vida.

Infelizmente, ainda há a visão por aqui de que somos os invencíveis, os deuses supremos em tal esporte e somos obrigados a vencer tudo, como se todos os adversários fossem fracos e medrosos, ao contrário dos brasileiros, os valentões e imunes a derrotas. E quando acontece a infelicidade de perder um jogo muito disputado, tudo que foi feito anteriormente é desconsiderado, como se não valesse mais. Assim, às vezes tenho a sensação de que a boa campanha da seleção parece ter sido esquecida; o fato de não ter perdido para a Alemanha, também; ter vencido-as por goleada na semifinal da competição, mais ainda.

Enfim: o adversário é quase desprezado e o produto brasileiro, supervalorizado para depois, muitas vezes ser duramente criticado, acarretando no uso da palavra “amarelão”. E foi isso o que li em alguns espaços hoje (leia-se orkut e alguns blogs esportivos famosos).

Maldito dia em que Ayrton Senna disse que segundo e último lugares eram a mesma coisa...

5 comentários:

Marcelonso disse...

Leandrus,

Uma pena mesmo,o time foi superior mas não conseguiu fazer o principal ,o gol.
Bravas guerreiras,um exemplo de dedicação e superação.
O time americano é mediando,porém melhor preparado mentalmente para competições como essa.Ganhou na paciencia.

abraço

Daniel Leite disse...

Maldito dia, de fato. Concordo totalmente. Que amarelonas, losers? A imprensa, ou mesmo sujeitos maledicentes da internet precisam parar com essa história de aceitar somente o ouro. O até de somente aceitar a conquista de medalha, em outras circunstâncias.
Por exemplo, falar o que de Diego, na ginástica? Caiu, e se não o tivesse feito, seria prata. Não está bom?
O péssimo desempenho do Brasil no quadro de medalhas não é culpa individual - de Diego, da Seleção Feminina de futebol, ou de Jadel. É culpa de nossa estrutura esportiva, ainda muito aquém de ser eficiente.
O jogo hoje foi sombrio no final, pois o resultado não premiou o melhor time. PACIÊNCIA. Foi um grande jogo, um baita torneio das meninas, e a prata deve ser encarada como uma conquista. Nada mais. Também fiquei muito irritado...

Até mais!

Net Esportes disse...

Se alguém é 'loser' é o futebol masculino, esse tinha obrigação de ganhar......... com relação a 'homenageada' ali do lado !!!!!!! hahahah !!! até o femininos dos EUA derrubou o bastão, e na final o feminino da Jamaica teve problemas mas no masculino detonou............

Breiller disse...

Cara, brasileiro, infelizmente, só valoriza vitória, 1º lugar. Isso é reflexo de uma mentalidade atrasada, que mostra o quanto a gente ainda precisa evoluir quando o assunto é "espírito olímpico".

Na derrota da Seleção masculina de futebol, por exemplo, teve gente que arrumou uma porção de explicação pra derrota: Dunga, Ronaldinho Gaúcho, time amarelão. Na verdade, a Argentina ganhou por méritos, num grande jogo de futebol. Essa é a dinâmica do esporte, e ninguém, nem os considerados imbatíveis, vão conseguir ganhar sempre.

Espero que uma Olimpíada aqui no Brasil seja capaz de contornar essa visão burra e simplista de muitos torcedores.

Leandrus disse...

De tudo que falaram, só discordo um pouquinho do Breiller: eu também culpo o Dunga pela derrota, já que sua equipe apresentou problemas durante toda a competição e tudo que ele fez foi barrar Alexandre Pato quando este era o menos culpado, já que ficava praticamente isolado lá na frente; tanto que Sóbis pouco acrescentou a equipe. Além disso, demorava muito a mexer (como sempre) e sua equipe mal tinha jogadas ensaiadas ou variação de jogadas/esquema. Também, o que falar de uma pessoa que em momento algum priorizou a competição, como ele mesmo disse que "as Eliminatórias eram mais importante".
E só para constar: Ronaldinho não jogou o que pode jogar, mas até que foi esforçado em certos momentos, como contra a Argentina, enquanto foi apático em outros (como contra Bélgica).

Ateh!