domingo, 28 de setembro de 2008

Em Cingapura, o protagonista foi Piquet Jr

É isso mesmo: o protagonista da corrida de hoje foi Nelsinho Piquet. Porém, o piloto não venceu a corrida, nem chegou ao pódio, tampouco terminou na zona de pontuação, muito menos terminou a prova. Seu feito foi ter sofrido um acidente na 16º volta que ocasionou a entrada do safety car e outros acontecimentos decisivos para a prova. Quem se aproveitou disso tudo foi seu companheiro Fernando Alonso, que venceu o GP de Cingapura e deu uma até certo ponto improvável vitória a Renault.

Até o acidente de Piquet, a corrida não chegava a ser monótona. Quem achou que não haveria ultrapassagens em Cingapura, baseado no chatíssimo GP de Valencia, logo se surpreendeu com as ultrapassagens dos pilotos da Williams em cima de Jarno Trulli e com uma ferrenha perseguição de Kimi Raikkonen para cima de Lewis Hamilton depois das primeiras 5 voltas, enquanto Felipe Massa mantinha a primeira posição; até parecia que finalmente o finlandês havia acordado. Porém, o acidente de Nelsinho, a entrada do safety car na pista e acontecimentos fundamentais no pit lane mudaram tudo.

Muitos pilotos foram aos boxes logo que o pit foi aberto. Aí começou o pesadelo de Felipe Massa. Num erro da equipe, a luz verde do sinal que substitui o famoso “pirulito” que indica ao piloto o término da parada acendeu enquanto o reabastecimento ainda era feito, e Massa acabou saindo com mangueira e tudo, numa cena muito parecida com a de Albers no GP da França do ano passado. O brasileiro foi obrigado a parar seu carro na saída dos boxes, enquanto via todos os outros pilotos terminarem suas paradas. Quando os mecânicos da Ferrari finalmente retiraram a mangueira de seu carro, já era tarde demais, pois Felipe já estava na última posição. O azar de Massa perdurou por toda a corrida: foi punido por saída perigosa do pit stop (quase colidiu com Sutil), teve um pneu furado e perdeu um bom tempo atrás de Fisichella. Terminou num distante 13º lugar.

Lewis Hamilton agradeceu. Mesmo também tendo sido prejudicado na sua primeira parada nos boxes (perdeu tempo na saída e caiu para 8º), fez uma boa prova de recuperação, não se afobou tentando ultrapassar Coulthard, aproveitando o momento em que o escocês foi atrapalhado por Alonso para tomar sua posição, e também não jogou sua corrida fora tentando ultrapassar o amigo Rosberg no final da prova. Uma boa corrida do inglês, que terminou em 3º e abriu 7 preciosos pontos de vantagem para Massa.

Após essa tumultuada parada, os beneficiados pareciam ser Rosberg, Kubica e Alonso. Pareciam, pois Rosberg e Kubica logo foram punidos por entrarem nos boxes fechado. O alemão, que inclusive liderava a corrida depois da parada, não foi tão prejudicado, pois havia aberto uma boa diferença em relação aos demais; tanto que terminou na 2º posição. Mas o polonês não teve a mesma sorte: estava em 4º no momento em que cumpriu a punição. Terminou em 11º, após ter brigado com Massa durante boa parte da prova lá nas últimas posições (até nisso o brasileiro perdeu).

Com os contratempos de Rosberg e Kubica e as paradas de Trulli e Fisichella, Alonso herdou a primeira posição. O espanhol, que havia pulado para 12º na largada após largar em 15º, teve muita sorte ao parar justamente voltas antes do acidente de seu companheiro (estratégia da equipe?), o que lhe rendeu a preciosa 5º posição. Depois, só manteve o ritmo, chegou ao 1º posto e pilotou com autoridade até receber a bandeirada. Um resultado justo para quem vem fazendo ótimas corridas ultimamente, mesmo com um limitado carro.

Os alemães Timo Glock, Sebastian Vettel e Nick Heidfeld fizeram corridas discretas mas eficientes, e chegaram em 4º, 5º e 6º, respectivamente. Glock ainda merece um certo destaque por ter segurado o ímpeto de Raikkonen nas últimas voltas; desde o GP do Canadá, quando marcou seus primeiros pontos, tem crescido no campeonato, melhor até mesmo do que Trulli em alguns momentos. E o finlandês, aliás, está numa fase horrorosa: após cair para a 11º posição após sua primeira parada, pôs tudo a perder ao encontrar o muro a 4 voltas do fim, quando já estava em 5º. Tsc tsc tsc...

Coulthard e Nakajima terminaram nas 7º e 8º posições. O piloto da Red Bull finalmente voltou a pontuar, enquanto o japonês confirmou o bom desempenho da Williams no circuito. Rubens Barrichello tinha tudo para conseguir uma boa posição, já que fez sua primeira parada junto com Fernando Alonso. Porém, durante as voltas em que o SC esteve na pista, seu carro morreu, da mesma maneira que eu faço em todas as aulas na auto-escola. A diferença é que, na auto-escola, a culpa é sempre minha...

Mas o que fica marcado é que mais uma vez a Ferrari prejudicou Felipe Massa. Ano passado, a Ferrari havia bobeado em alguns momentos, mas Massa também. Esse ano, a equipe já prejudicou o brasileiro em Mônaco, no Canadá, na Hungria e agora, em Cingapura, enquanto o piloto só pode realmente ser culpado pelos erros na Malásia e na Inglaterra. Depois desse grotesco erro, já chega né?

Em tempo: nem sempre a modernidade é a melhor saída...

Foto: www.gpupdate.net

8 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

Esses sete pontos foram cruciais pro Hamilton,e esse pirulito eletrônico foi trágico pra Massa.A Ferrar quer muito dar o título pro Hamilton esse ano,to achando que vai conseguir.

E quase que ganahmos,mais um pouquinho a vitória era do Rosberg...passou perto essa!

F-1 A.L.C. disse...

mais será que o pai de hamilton não entrou en acordo pra 2010 com a ferrari? será que não estão dando publicidade pro Lewis? só assim se explica tanta burrice com felipe massa

não tinha percebido que sem o accidente de Nelsinho, Alonso podia não ter ganho a corrida. foi assim que ele se colocou na frente.

Daniel Leite disse...

Isso que eu chamo de trabalho de equipe! O acidente com Piquet deu a vitória a Fernando Alonso. É claro que este soube aproveitar a oportunidade com grande competência, mas, se não houvesse a batida, Massa, Hamilton, Raikkonen, Kubica e mais um monte de pilotos tinham mais chances de vitória.

Quanto ao erro da equipe com Massa, uma conclusão: o brasileiro não será o campeão mundial. Para que alguém ganhe o título, é preciso que haja colaboração de todos, principalmente da equipe. A Ferrari não ajuda e não se ajuda. Basta observar o que aprontou a McLaren no ano passado. Um festival de lambanças e o título caiu no colo de Raikkonen.

Até mais!

Net Esportes disse...

pura estratégia da Renault, o Briatore armou tudo !!!!! he he he !!!!!!!!!!!!!!!

Vinicius Grissi disse...

De fato, apesar de não ter ido bem, o desempenho do Nelsinho foi fundamental no resultado da corrida.

Felipe Maciel disse...

Protagonista ou antagonista, dependendo do ponto de vista...
Êêêêêê Nelsinho...

Leandrus disse...

Breves comentários:

Marcos Antônio e Luis, a Ferrari está tentando de tudo! Se Hamilton realmente vencer o campeonato, o título com certeza será dedicado a equipe italiana, podem ter certeza!

Daniel, tudo bem que só faltam 3 corridas para o término da temporada, mas ainda acho que Massa tem suas chances de ser campeão. Penso nisso só lembrando que este campeonato tem reservado boas surpresas e tudo pode acontecer; mesmo com as besteiras na pista, Massa pode tirar a diferença na pista. E Hamilton pode até cometer algum erro grosseiro ou seu carro pode ter algum problema; por que não?

Netesportes, melhor fazer um piloto bater do que dar a posição para o companheiro de equipe na última curva (brincadeirinha, hehehe)

Vinicius, ele quis retribuir para alguém a gentileza que o Glock deu para ele na Alemanha, quando fez o pit stop momentos antes da entrada do SC. Só escolheu a pessoa errada para entregar o presente (ou certa, não sei, rs): justo o companheiro de equipe!

Felipe, num mundo em que a interatividade está tão presente, pode mudar o título se quiser, hehehe

Ateh!

Marcelonso disse...

Leandrus,


Esse Nelsinho é uma bomba,pior que o R28.

abraço