terça-feira, 29 de setembro de 2009

10 de agosto: o dia que pode ter decidido o destino do Botafogo


Depois de sair do Botafogo, Ney Franco vem conseguindo obter os resultados estipulados no Coritiba. Já o seu antigo clube vem numa decadência sem fim.

10 de agosto pode ter sido um dia decisivo para o Botafogo em 2009. Foi nessa data que a diretoria do clube decidiu demitir Ney Franco, logo após a derrota para o Atlético-PR em casa. Uma atitude que se revela precipitada a cada rodada que passa.

Na época em que foi mandado embora do clube, já não aprovava a decisão da diretoria. Para quem tinha um time muito limitado em mãos e que até hoje sente a falta de Maicosuel – Lúcio Flávio nem de longe substitui a altura o agora meia do Hoffenheim – Ney Franco fazia muito pelo Botafogo. Conhecia bem o grupo com que trabalhava e cumpria a tarefa de deixar a equipe numa posição intermediária na tabela – com o elenco que lá está, não dá para ir mais adiante. E só não conseguia estar numa posição melhor porque era prejudicado pelos constantes erros da arbitragem e pelas falhas clamorosas da sua defesa – não por armar mal esse setor, mas sim pela ruindade de seus defensores mesmo.

Pois bem, preferiram trocar o certo pelo duvidoso. Uma ruptura num trabalho que merecia continuidade. No meio de um campeonato complicado e nivelado, colocar um técnico (Estevam Soares) que não é tão gabaritado assim – no máximo, via sua carreira numa ascendente – e não conhecia o grupo. E o resultado foi desastroso: o ex-treinador do Barueri não venceu uma partida sequer das 9 que disputou no Brasileirão e conquistou míseros 6 dos 27 pontos disputados.

Será que o desempenho de Ney Franco seria melhor? Bom, não sou vidente. Mas é fato que Estevam não fez nada que melhorasse o desempenho de sua equipe; tanto que a equipe vem numa descendente, mostrando que o elenco realmente é limitado e sobretudo que a culpa não era do agora técnico do Coritiba (que por sinal conquistou 14 dos 24 pontos disputados sob seu comando e tirou o time da zona de rebaixamento).

Estevam Soares não tem a confiança de ninguém agora. Não tem mais clima no clube. Não parece que vai dar jeito no clube. Então o que fazer agora? Demitir o treinador e assumir que se precipitou ou insistir ainda mais e correr o risco de ver a equipe afundar mais e mais? E se optar pela demissão, vai contratar quem? Quem está disposto a tirar o clube do rebaixamento, tem competência para isto e está disponível no mercado?

A diretoria do Botafogo, com seu planejamento de reconstrução lenta mas honesta do clube, não merecia esse sofrimento. Tampouco merece um rebaixamento. Mas o desempenho recente do clube mostra cada vez mais que a atitude tomada naquele 10 de agosto foi um erro. Caia ou não para a Série B esse ano, que o episódio sirva de lição para o futuro.

Foto: www.terra.com.br

6 comentários:

Ron Groo disse...

Desde 1995, com aquele titulo roubado que eu torço pro botafogo se estrepar todo.
Tomara que seja este ano.

Felipão disse...

e o pior que essa mudança foi prejudicial ao Barueri também... foi uma manobra em que ninguém saiu ganhando

uma pena para os envolvidos

Vinicius Grissi disse...

Disse tudo. Ali, o Botafogo selou seu rebaixamento. Não pelo pobre Estevam. Mas com o que tinha em mãos, Ney Franco fazia um bom trabalho. E principalmente, já conhecia as peças, as carências, as mazelas e de onde poderia tirar alguma coisa.

Net Esportes disse...

vc vê o Vasco ta quase voltando, ou seja, acordaram ..... tanto o Botafogo quanto o Fluminense parece que estão precisando levar uma dessas, tipo cair pra série B como o Vasco, pra ver se reagem e fazem alguma coisa ..... cruel.

De Gennaro Motors disse...

fala amigo..blz é o fernando da de gennaro!

Marcos Antônio Filho disse...

olha vc tem toda a razão. Mas o botafogo deve muito sua posição a nomes comoLúcio Flávio, Jonatas, Alessandro, Vitor Simões, só bomba!