domingo, 27 de setembro de 2009

Um balde de água fria em Barrichello


No belo mais entediante GP disputado em Cingapura, Jenson Button levou a melhor sobre Rubens Barrichello

GP chato disputado hoje em Cingapura. Os donos da F-1 podem fazer um trabalho muito legal tornando as provas mais glamurosas e levando corridas para lugares sem tradição no automobilismo, enchendo ainda mais os seus bolsos. Porém, vemos cada vez menos emoção na pista e cada vez mais provas sendo decididas nos boxes – hoje houve mais na tensão no momento em que as paradas foram feitas do que nas tentativas de ultrapassagens, que por sinal foram raras. Seria muito bom se Bernie Ecclestone e sua trupe pensassem mais em promover corridas realmente atraentes do que torná-las um mero detalhe, valendo muito mais todo o clima de festa criado em cima das provas.

Porém, Lewis Hamilton não tem nada a ver com isso. E aproveitou as condições extremamente favoráveis para vencer a corrida – largava na frente, tinha gasolina suficiente para não entrar no boxes tão cedo e ainda contou com os contratempos de Rosberg e Vettel. Mas quem ficou realmente satisfeito com o resultado final desta corrida foi seu compatriota piloto da Brawn GP.

O fato de Jenson Button terminar na frente de Rubens Barrichello foi uma vitória moral para o inglês na guerra psicológica entre os dois e um balde de água fria na reação do brasileiro. Fazia um bom tempo que o inglês não terminava uma prova na frente de seu companheiro – mais precisamente desde o GP da Hungria.

Só para constar: não é preciso jogar pedras em Rubinho por não ter chegado na frente de Button. Ele fez uma boa corrida, e o inglês também. Só que Button foi beneficiado por estar mais pesado do que seu companheiro e fazer uma segunda perna mais longa. Tem que agradecer a entrada do safety car também.

É verdade que Barrichello tem motivos para não lamentar tanto o resultado. Largou em 9º devido a punição que recebeu por trocar o câmbio, logo terminar em 6º não foi mal negócio. Mas Button largou mais atrás, em 11º, e, ajudado pelo safety car, terminou em 5º. Da mesma maneira, ter conseguido somente um ponto a mais pode parecer irrelevante para o líder do campeonato. O problema é que é consenso que Rubens deveria, a cada corrida, abaixar sua diferença em relação ao inglês. E ver o oponente aumentar a diferença, por menor que ela tenha sido alargada, incomoda. Se já incomodaria se ele tivesse tirado apenas 1 ou 2 pontos...

Faltando três corridas para o final e 15 pontos atrás de Button, Barrichello tem cada vez mais a obrigação de conseguir resultados positivos, de preferência vitórias - e não apenas uma. Além disso, terá de contar com erros e atuações apáticas de Button, para que ele não pontue muito nas próximas provas – claro que isso pode acontecer, como já aconteceu, mas nunca é bom depender disso.

Sim, o título ainda é possível. Mas vai se tornando cada vez mais uma tarefa complicada.

Foto: www.gpupdate.net

11 comentários:

Loucos por F-1 disse...

Ficou bem complicado para Rubens Barrichello. A corrida no Japão será decisiva para ambos os pilotos. Button pode sair de Suzuka com o título assim como Barrichello pode entrar com mais força nessa briga. Hamilton venceu fácil em Cingapura, sobrou na pista.

Abraço!

Leandro Montianele

Ridson de Araújo disse...

Hum..tive a mesmíssima impressão da corrida. O safety car permitiu a Button chegar na frente. Não que ele não saiba disso, mas mesmo assim ter um ponto na frente de Rubens deve ter sido um grande alívio.

Para Suzuka, eu acredito que Rubens deve se sair melhor que Button, pela sememlhança com Silverstone. Rubens fazendo uma boa corrida com um carro não rendendo bem, e Button uma péssima limitado pelo carro. Esperar se isso é o suficiente para chegar no Brasil com condições de disputar em Abu Dabhi.

Confere lá no meu, o Historias e velocidade. Ah..tb te add, mas já faz tempo, nos favoritos. Gostei dos comentários sobre futebol e tb sou rubronegro.

Ridson de Araújo disse...

Eis o link véio...

http://historiasevelocidade.blogspot.com/2009/09/gp-de-cingapura-uma-corrida-de-bandeja.html#comments

Felipão disse...

Pois é, Leandrus.... agora ficou difícil.,..

Marcelonso disse...

Leandrus,

Suzuka será decisiva,pode mesmo sacramentar o campeonato,o que seria uma pena para o GP Brasil.

Agora essa corrida de hoje foi horrivel,sem graça,etc...

abraço

Paulo Maeda™ disse...

eh vdd, a corrida foi chata, mas os pilotos não tem culpa disso. Hamilton e Glock foram muito bem ontem e o Button soh perde o Título se fizer uma tremenda duma lambança. Flw

Ron Groo disse...

Foi mesmo um balde de água fria, mas ele nunca vai admitir isto, vai estar onze pontos atrás do Button na ultima corrida e falando que dá, que vai lutar até o fim.

É um fanfarrão mesmo...

Ah, procura ai uma foto do Tony George da nova Lotus, o cara é o Andrade escrito. É até gago.

Saulo disse...

Tô torcendo para o Rubinho, mas está complicado.

Vinicius Grissi disse...

O título ficou muito difícil. Princiaplmente se tratando do pé-frio do Rubinho.

Acho ele bacana, até torço por ele. Mas, esse ano não dá mais.

Daniel Leite disse...

Caso conquiste mesmo o título, Button vai ser, provavelmente, o pior campeão de todos os tempos. Não apenas pela pontuação, mas especialmente pela forma que vai encerrar a temporada. Até por isso, vejo com tristeza a iminência do fim das chances de Barrichello.

Mas a verdade é que, se a McLaren tivesse despertado algumas corridas antes, Hamilton seria, merecidamente, o campeão da temporada. O britânico é o melhor piloto da F-1, aquele que, quando tem um carro competitivo, vence provas com a maior facilidade.

Até mais!

Leandrus disse...

Obrigado pelos comentários e valeu pela visita, Ridson! Já já vou comentar no seu blog.

Daniel, acho que para afirmarmos tal coisa sobre o título de Button temos que fazer um levantamento histórico. Se formos ver pela forma como encerrou a temporada, Hamilton também não foi tão bem ano passado: não pontuou no Japão, venceu sem problemas na China e foi apenas 5º no Brasil, numa prova correta mas burocrática. Se formos ver pelos campeões sem graça, temos que nos lembrar de outros que não eram tão fantásticos para ser campeões, como Keke Rosberg (venceu só uma prova no ano que ganhou, 1982, e foi ajudado pela morte de Gilles e o acidente que quase matou Pironi) e Jacques Villeneuve e James Hunt, por exemplo. Só que fazer esse levantamento vai dar um trabalho, pq vai ter que assistir todas as corridas, rs

Ateh!