sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Um injustiçado?

Já se passaram alguns dias do jogo contra a Itália e Dunga não poderia estar mais satisfeito. Depois de conviver com a pressão de conseguir um bom resultado contra a forte (pelo menos em tese) seleção italiana e ainda ver a situação agravada pela sombra de Luiz Felipe Scolari, recém demitido do Chelsea e querido por muitos brasileiros, o técnico da seleção brasileira pode respirar aliviado, certo de que não será tirado do cargo tão cedo.

Mas porque se pede tanto a cabeça de Dunga? Afinal, as estatísticas do ex-jogador como treinador da Seleção não são ruins: em 36 jogos pela seleção principal, conseguiu 23 vitórias, 9 empates e apenas 4 derrotas. Além disso, conquistou a Copa América em 2007, derrotando a favorita Argentina na final por 3 a 0, está numa tranquila 2º posição nas Eliminatórias para a próxima Copa do Mundo e vem de vitórias convincentes nos últimos amistosos: goleou Portugal por 6 a 2 e derrotou a atual campeã mundial Itália por 2 a 0, ou seja, ganhou de adversários que são teoricamente fortes (se eles atuaram bem ou mal nesses confrontos é outra história...). Tendo em vista esse retrospecto, parece até uma injustiça criticar tanto o capitão do tetra.

Mas, ao esmiuçar o desempenho de Dunga, é possível entender porque o treinador nunca foi muito querido. Não são muitas as atuações convincentes da Seleção no seu comando: as já citadas vitórias contra Argentina, Portugal e Itália são algumas delas, assim como as conquistadas em cima do Chile e Venezuela fora de casa nas Eliminatórias.

Coincidência ou não, foram vitórias contra equipes que não jogaram fechadas. Isso porque, quando o Brasil encara uma esquadra que atua de maneira mais cautelosa, para não dizer bem defensiva, é quase certo que os comandados de Dunga terão dificuldades: a suada vitória para o Uruguai e os sofríveis empates para a Bolívia e Colômbia sem gols em casa nas Eliminatórias são apenas alguns exemplos disso. Isso para não falar do histórico de vitórias burocráticas em amistosos.

Josué e Kléber fazem parte da lista de teimosias de Dunga

As convocações e escalações de Dunga também causam calafrios nos torcedores. Volta e meia o treinador convoca nomes desconhecidos (como Afonso Alves e Bobô), ignora nomes em alta em campos nacionais (como Hernanes, Ramires, Nilmar e Keirrison) e internacionais (Denílson) e convoca outros que são reservas em seus clubes (como Adriano, Ronaldinho e Mineiro). Na hora de escalar, ainda consegue piorar a situação: até pouco tempo, por exemplo, insistia em escalar um ferrolho desnecessário no meio campo formado por Gilberto Silva, Josué e Mineiro e teimava em colocar um Kléber em má fase na lateral esquerda. Ousadia também não é muita a dele: no jogo contra a Bolívia no Engenhão, mesmo com um a mais no segundo tempo, deixou o limitado ofensivamente Josué em campo até o final do jogo.

E nunca é demais lembrar que seu desempenho nas principais competições que disputou, a Copa América e as Olimpíadas, não foi tão satisfatório. Na primeira, sabe-se lá como ganhou, pois teve algumas atuações abaixo da média e esteve bem próxima de ser eliminado nos pênaltis pelo Uruguai. E fracassou na Segunda mesmo tendo um ótimo elenco em mãos, convencendo somente no jogo contra a fraquíssima Nova Zelândia e sendo impiedosamente goleado pela Argentina nas semifinais por 3 a 0, tendo de se contentar com a medalha de bronze.

Observando o resultado final, Dunga pode estar tendo um bom desempenho, mas na verdade ainda peca em alguns aspectos. Por várias razões, o ex-jogador não passa muita confiança e tem seu trabalho contestado; seus defeitos e sua inexperiência podem pesar numa Copa do Mundo, competição em que qualquer erro pode ser fatal, como ele mesmo sabe. E é por isso que a Copa das Confederações, uma competição bem curta e que não permite muitos tropeços, será um excelente teste para ele.

Foto: www.estadao.com.br

5 comentários:

Loucos por F-1 disse...

Mesmo com números expressivos, Dunga não deixa de ser um péssimo treinador. Sua equipe não possui criatividade tática e muito menos algum tipo de variação. Se não fosse o talento individual de alguns jogadores a seleção brasileiro seria mais uma qualquer.

Você disse bem xará, se pega um adversário fechado a equipe fica sem saber o que fazer. Esse futebol burocrático tem me matado.

Abraços!

Leandro Montianele

Marcos Antônio Filho disse...

realmente,Dunga não sabe furar uma retranca.E a Copa das confededrações é um torneio rápido e ele vai ter que convoncar os jogadores em boa fase,não caras que já deram o que tinha que dar pela selelção como Gilberto Silva,Mineiro,Kléber...

Daniel Leite disse...

Por alguns resultados, a seleção de Dunga é aquela que venceria a final da Copa e teria seriíssimas dificuldades para passar da primeira fase. Falando realmente sério, imaginemos que o Brasil enfrente no seu grupo da Copa: o México, de Sven-Goran Eriksson, a Rússia, de Guus Hiddink, e a Grécia, de Otto Renhagel. Enfrentaria defesas fortes e técnicos mais experientes. Uma eliminação na primeira fase, numa boa, seria possível.

Como todos sabemos, a Seleção Brasileira gosta mesmo é de contra-atacar. Com volantes burocráticos que só sabem roubar bolas (parece que ele reviu, pelo menos, este conceito) e um ataque de arrancadas, com Kaká e Robinho, sobram opções de velocidade e faltam alternativas para furar bloqueios. Ainda mais se os laterais estiverem em fases pouco inspiradas. Maicon é ótimo corredor, mas tem lhe faltado algo mais. Marcelo, em momento instável e fora de posição no Real Madrid, participa bastante, mas lhe falta ser mais incisivo, ir à linha de fundo.

Mesmo assim, não acho que o Brasil seja uma equipe que não saia das vitórias contra Itália's e dos empates contra Bolívia's. Afinal, Dunga já perdeu para Portugal, de Felipão, e para a Argentina, em Pequim. Perder para a Espanha, na Copa, seria muito normal - e provável.

Obs.: estou aguardando o duelo Maradona x Dunga, em Buenos Aires. Hoje, por jogar em casa, está mais para El Pibe.

Até mais!

Net Esportes disse...

Concordo com o Daniel, o Brasil da show contra times grandes, times bons.... a goleada sobre Protugal, esse jogo contra a Itália e a Argentina..... mas da vexame contra Venezuela no amistoso..... sem falar no Paraguai e nos três 0 x 0 em casa anos passado..... acho que o Dunga, estando na Copa, vai torcer para cair em um grupo da morte na primeira fase !!!!!!

Warley Morbeck disse...

Falar mal do Dunga é errado. É como bater no boneco do ventríloquo pelas coisas feias que fala...

Warley Morbeck

Flamengo Eternamente
Eterna Bola
Fla TV