domingo, 23 de agosto de 2009

Consequências do GP da Europa


Rubens Barrichello comemorou muito no pódio sua vitória. Uma festa merecida e ao mesmo tempo algo muito legal, já que já estava farto de ver alguns pilotos praticamente sem emoção alguma no pódio. Tem mais é que vibrar muito mesmo!

Finalmente o grande dia de Rubens Barrichello em 2009 chegou. Depois de andar bem na Espanha e na Alemanha mas não conseguir levar a vitória por diversos fatores, o brasileiro chegou na primeira posição na monótona (tá bom, chata mesmo) prova em Valência, seguido por Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen. De quebra, conquistou a vitória de número 100 dos brasileiros na categoria.

Dois fatores foram essenciais para a vitória do piloto da Brawn: consistência e sorte. Se não conseguiu ultrapassar as Mclarens com seus preciosos KERS na largada, sempre andou na cola de Kovalainen, e depois do primeiro pit, de Hamilton, travando duelos para ver quem tirava ou aumentava a diferença. E depois contou com a besteira imperdoável – a menos que dêem uma desculpa muito boa – da equipe do piloto inglês na sua segunda parada para assumir a primeira posição. Como desta vez não foi atrapalhado por erros ou estratégias muito ousadas da equipe, não largou mais a liderança e teve uma merecida conquista – esse talvez tenha sido seu melhor desempenho desde o GP da Inglaterra em 2008.

Com as pobres performances dos outros pilotos que em tese podem brigar pelo título, Rubens acabou tendo ainda mais motivos para comemorar. Seu companheiro Jenson Button, após ser atrapalhado por Vettel na largada, teve atuação apática e terminou apenas em 7º. Já a dupla da Red Bull teve um desempenho para se esquecer: Mark Webber chegou em 9º e Sebastian Vettel, que poderia ser o melhor dessa turma, teve problemas no pit e depois abandonou com problemas no motor. Com 10 pontos no bolso e vendo os pilotos da RBR sem pontuar, Barrichello pulou para a segunda posição na classificação geral dos pilotos.

Porém, é difícil dizer que o brasileiro ainda tem grandes chances de conquistar o título. É bom lembrar que essa foi a sua primeira grande corrida nesse ano, em que ele foi muito bem na pista e sua equipe o ajudou do lado de fora - uma combinação que ainda não havia sido visto em 2009. Rubinho só continuará tendo chances se conseguir outras grandes performances nas próximas seis corridas, além de contar com uma pitada de sorte.

O mesmo vale para Sebastian Vettel. É um piloto de grande talento e um dos melhores da nova geração, mas, além de precisar de mais sorte – é a segunda vez que precisa abandonar com problemas no carro – necessita de um desempenho mais consistente e de corridas com menos erros; hoje, por exemplo, da mesma maneira que atrapalhou Button na largada, também se atrapalhou e perdeu a posição para Raikkonen. Tudo bem que possui a desculpa de ainda ser inexperiente, mas sua situação no campeonato não lhe permite mais falhar.

Mas é preciso lembrar que muito dessas apostas um tanto “negativas” são influenciadas pelo fato de Button estar disparado na liderança. O inglês, entretanto, precisa abrir o olho. Sua vantagem já foi mais confortável, e tudo o que conseguiu depois do GP da Turquia foi um quinto, um sexto e dois sétimos lugares – ou seja, apenas 11 pontos de 40. Já mostrou que não foi só o desempenho da Brawn que caiu, como o dele também – e assustadoramente. Nesse tempo, Barrichello, mesmo não pontuando na Hungria, teve um desempenho mais satisfatório, com uma vitória, um terceiro e um sexto lugar – 19 dos mesmos 40.

Sim, ainda é possível conquistar o campeonato tranqüilamente. Mas se não reagir logo, pode ter uma surpresa desagradável, como ver uma reação de seu companheiro ou a regularidade de Webber prevalecer. Ah: ainda é preciso lembrar que Mclaren e Ferrari praticamente reagiram no campeonato. Ambas podem fazer o mesmo que Fernando Alonso e Sebastian Vettel fizeram ano passado: na reta final, se intrometer na briga pelas primeiras posições nas corridas e tirar alguns pontinhos daqueles que brigam pelo título.

Luca Badoer teve um desempenho pífio em Valência: último no treino de qualificação, voltas bem abaixo dos outros, duas ou três rodadas e novo papelão nos boxes, ao "pisar" na linha branca da saída dos pits e receber drive through por isso. Mas não sejamos tão duros com ele: afinal, o italiano praticamente não havia testado no carro desse ano e não corria uma prova oficial há 10 anos. Estava completamente enferrujado

Nova prova abaixo da média de Heikki Kovalainen. Depois de ótima qualificação, perdeu posições nos boxes e acabou até perdendo seu lugar no pódio, já que chegou apenas em 4º

Nico Rosberg e Fernando Alonso fizeram corridas discretas mas eficientes, chegando em 5º e 6º, respectivamente. Novamente não deram show, mas levaram conquistaram pontos importantes para a classificação geral

Fotos: 1ª, 3ª, 4ª - www.motorsport.com/ 2ª - www.gpupdate.net

7 comentários:

Net Esportes disse...

o erro da McLaren não pode mesmo ser esquecido mas acho que o Rubinho foi muito bem para poder se aproveitar desse fato ..... já tava merecendo ganhar faz tempo ......

Marcelonso disse...

Leandrus,

Foi merecida a vitória de Barrichello,e dessa vez teve a sorte ao seu lado.


abraço

Willian disse...

Mesmo sem o erro, eu acho que o Barrichello venceria hoje...

Marcos Antônio Filho disse...

Barrichello mereceu e teve a sorte do lado dele! E que sorte!

Loucos por F-1 disse...

Xará, vitória mais do que merecida a do Barrichello. Andou forte durante toda a prova. De quebra entrou para a história ao conquistar a centésima vitória do Brasil na Fórmula 1. Acho pouco provável Rubinho brigar de verdade pelo título. Vai dar Button, mesmo fazendo corridas medíocres como as últimas.

Abraço!

Leandro Montianele

Vinicius Grissi disse...

Achei que foi uma corrida interessante, cheia de alternativas. Aos poucos, as grandes equipes estão voltando a competir e o campeonato deve esquentar um pouco no fim.

Saulo disse...

Foi fantástico a corrida do Rubinho.