segunda-feira, 21 de julho de 2008

Resultados esperados e inesperados

O inglês Lewis Hamilton fechou com chave de ouro seu fim de semana em Hockenheim vencendo o GP da Alemanha, após fazer excelente corrida. Até aí, tudo bem. O que não se esperava era que o brasileiro Nelsinho Piquet, após largar numa pífia 17º posição, chegasse na 2º posição, conquistando assim seu primeiro pódio na F-1 já no seu 1º ano na categoria. Felipe Massa, visivelmente sem um bom rendimento durante a parte final da corrida, completou o pódio, o que resultou na primeira vez que 2 brasileiros vão ao pódio desde 1991, quando Ayrton Senna e Nelson Piquet subiram ao pódio no GP da Bélgica.

Hamilton largou muito bem, sem dar espaços para Massa, que largava ao seu lado. Heikki Kovalainen ainda tentou ganhar a posição do brasileiro, mas o piloto da Ferrari conseguiu manter a 2º posição conquistada no treino de classificação. O destaque da largada foi Robert Kubica, que ultrapassou Kimi Raikkonen logo nas primeiras curvas e aproveitou uma briga mal-sucedida entre Alonso e Trulli para pular para a 4º posição. Não houve problemas no pelotão de trás, ao contrário do que acontece na maioria das corridas.

Após a ultrapassagem de Raikkonen em cima de Alonso, logo nas primeiras voltas, não houve maiores trocas de posições. Hamilton logo abriu uma diferença de 7 segundos para Massa após 10 voltas, mostrando que realmente iria sobrar na corrida.

Na 18º volta, Hamilton foi aos boxes para fazer seu 1º pit stop. Uma volta depois, foi a vez de Massa fazer sua parada. A maioria dos pilotos fez o mesmo, exceto alguns que largaram mais para trás com maior quantidade de combustível, como Nick Heidfeld, Timo Glock e Nelsinho Piquet; os 2 primeiros, inclusive, assumiram as primeiras posições por retardarem ao máximo suas paradas. Com a maioria das primeiras paradas realizadas, Raikkonen já se encontrava na frente de Trulli e Alonso; este, mantendo a tradição de perder posições durante as trocas de pneus e reabastecimento, também foi ultrapassado por Sebastian Vettel.

A corrida ia ficando mais animada. Na 30º volta, Heidfeld, ao sair dos boxes após finalmente fazer sua primeira parada, travou um rápido duelo com Vettel e Alonso; o piloto alemão se manteve justamente à frente do espanhol, para desespero do piloto da Renault. Os pilotos da Honda também tiveram um duelo rápido, com vantagem para Barrichello. Enquanto isso, Massa, andando “no limite extremo” (aprendi, Galvão?), abaixava em alguns míseros segundos sua já desconfortável diferença para Hamilton.

E então veio um momento crucial da prova: na 35º volta, Glock teve sua suspensão direita traseira quebrada, o que ocasionou numa forte batida na reta dos boxes; o alemão demorou a se levantar, saiu tonto do cockpit, mas está bem (mesmo assim, passará a noite no hospital em observação). Como havia muitos detritos na pista, oriundos da batida do piloto da Toyota, a bandeira amarela foi acionada; logo que o pit lane foi aberto, a maioria dos pilotos foram fazer suas paradas. Raikkonen acabou sendo o maior prejudicado com essa parada, pois teve que esperar seu companheiro Felipe Massa terminar seu pit stop para realizar sua troca de pneus e reabastecimento, o que acarretou na perda de posições.

Foi aí que a sorte sorriu para Nelsinho Piquet; e que sorte! O brasileiro estava numa discreta 12º posição quando entrou nos boxes para fazer sua única parada durante toda a corrida justamente quando Glock sofreu seu acidente. Como a maioria dos pilotos decidiram entrar nos boxes, o brasileiro iria ganhar muitas, mas muitas posições nos boxes.

A bandeira amarela reservava mais surpresas: Lewis Hamilton não foi chamado para fazer sua parada; a Mclaren preferiu manter o inglês na pista, algo que poderia ser muito arriscado, pois o piloto poderia perder posições preciosas quando fosse fazer seu pit stop, o que seria excelente para Felipe Massa. A ordem inicial era a seguinte: Hamilton, Heidfeld (que também não fez sua parada durante o tempo de bandeira amarela), Nelsinho e Massa.

Enquanto os 4 primeiros mantiveram suas posições na relargada, a briga continuava quente no pelotão intermediário. Kovalainen logo ultrapassou Kubica; Alonso tentou fazer o mesmo em cima de Vettel, mas foi fechado pelo alemão e ainda perdeu posições para Raikkonen e Rosberg. Aliás, é de se elogiar o desempenho do jovem piloto da Toro Rosso, que sempre defendeu muito bem sua posição durante toda a corrida, mesmo disputando posição com pilotos donos de carros superiores; mesmo assim, Vettel não foi páreo para a Ferrari de Raikkonen na 43º volta. O finlandês não perdeu tempo e logo ganhou a posição de Trulli.

Enquanto isso, Hamilton abria uma absurda vantagem para os outros. Heidfeld seguia tranqüilo na 2º posição, enquanto Nelsinho, fazendo uma corrida consistente, nem chegava a ser atacado por Massa. A diferença do brasileiro da Ferrari para o piloto da Mclaren aumentava cada vez mais, já que o inglês fazia voltas muito rápidas.

Na 50º volta, Hamilton foi obrigado a fazer sua 2º parada, voltando atrás de Massa; 3 voltas depois, foi a vez de Heidfeld ir para os boxes. Isso significava que Nelsinho Piquet, que pouco era ameaçado por Massa, era o líder da corrida faltando 15 voltas para o final. Seria o dia da 1º vitória do brasileiro?

Não foi. Hamilton, após fazer voltas muito rápidas (chegando a tirar praticamente 1 segundo por volta), facilmente ultrapassou Massa (Schumacher, que estava no pit lane, deve ter pensado: "Ah, se eu estivesse no lugar do Massa..."); o brasileiro errou ao pensar que poderia dar o “X” no inglês, pois não esperava a malícia do piloto da Mclaren ao “espalhar” propositadamente, sem dar chances de recuperação ao piloto da Ferrari. E foi com a mesma manobra que Hamilton ultrapassou Nelsinho, após facilmente alcançá-lo, e tomou a liderança faltando 8 voltas para o final.

Os 3 primeiros mantiveram suas posições até o final da corrida; Heidfeld ainda tentou pressionar Massa, mas ficou mesmo com a 4º posição diante de sua torcida. A zona de pontuação foi completada por (nesta ordem) Kovalainen, Raikkonen, Kubica e Vettel. Rubens Barrichello foi tocado por Coulthard na 49º volta e abandonou a corrida. Mas a corrida ficou mesmo marcada pelo fraco desempenho da Ferrari, pela excelente corrida de Hamilton e pela igualmente excelente posição conquistada por Nelsinho Piquet: se o brasileiro contou e muito com a sorte, também não cometeu erros durante a corrida (finalmente parou de rodar durante as provas) e não deu chance para Massa ultrapassá-lo. A redenção do brasileiro veio antes do esperado e em ótima hora (para desespero de Alonso, que ficou num decepcionante 11º lugar...).

6 comentários:

Net Esportes disse...

Show a corrida, Hamilton implcável, Nelsinho com golpe de sorte e o Massa 'arrastando' o carro !!!! impressionante a Renault nunca anda nada e a Ferrari nem consegue encostar, mas foi legal ver dois brazucas novamente no pódio.......... e é Hamilton campeão esse ano !!!!!!

http://netesporte.blogspot.com/

F-1 A.L.C. disse...

hamilton corrio muy bien, practicamente sin errores. el carro de la mclaren estaba perfecto, y para colmo,uso una estrategia fantastica.

y eso que el accidente de glock podia haber abierto la puerta al brasilero.

Marcelonso disse...

Salve Leandrus,


Não teve pra ninguem,Hamilton destruiu a corrida,pulverizou cada um de seus adversários.
Outro que fez uma bela corrida foi Vettel,e nada caiu do céu,foi tudo no braço.


abraço

Leandrus disse...

Breves comentários:

Netesportes, o campeonato está tão legal esse ano que toda hora mudamos nossa opinião sobre o campeão. Antes, Raikkonen sobrava; depois, Massa e Kubica ameaçavam; e com as últimas corridas, Hamilton parece ter parado de cometer bobagens e está aproveitando as oportunidades dadas pela Ferrari. Então tome cuidado para não cair do cavalo com seu pitaco, rs

Luis, Hamilton foi realmente fantástico ontem. Vai cada vez mais se firmando na categoria e conquistando o respeito dos outros (espero não ter secado o inglês com esse comentário, rs)

Marcelo, também gostei muito do Vettel nessa corrida. Como vc disse, foi tudo no braço (dando mais resistência até do que o Alonso).

Ateh!

Felipe Maciel disse...

Para o desespero doAlonso mesmo, ele ficou mordido com o pódio do Piquet, mal conseguiu esconder...

GiglioF1 disse...

Leandrus,

Boa descricao...!
Hamilton foi muito forte..até demais...seu carro estava em outro mundo...
Vettel também foi muito bem.

Massa pelo menos apareceu ,muito melhor que Kimi...A Ferrari perdeu muito rendimento e Massa nao podia fazer nada para evitar a passagem do Lewis sem comprometer a corrida...
Abraco!!