sexta-feira, 11 de abril de 2008

Em Donnington Park, direto do túnel do tempo...

Há 15 anos, o mundo da F-1 presenciou um dos momentos mais marcantes da categoria: no GP da Europa, naquele ano disputado em Donnington Park, Ayrton Senna definitivamente carimbou seu passaporte para o hall dos melhores pilotos da F-1 ao ultrapassar 4 pilotos na primeira volta da corrida, com a pista molhada, gasolina até o talo e pneus frios. Quem vê o vídeo até hoje fica impressionado.

Em 1993, as Williams dominavam a F-1. Tirando proveito disso, os 2 pilotos da equipe, Alain Prost e Damon Hill, formaram a primeira fila do grid; Ayrton Senna largaria na 4º posição, uma posição atrás da emergente estrela Michael Schumacher (que naquela época ainda era chamado de "o alemão" pelo "querido" Galvão Bueno). O brasileiro não fez uma largada muito boa, e ao tentar passar Schumacher por fora logo na primeira curva, é duramente fechado e, de quebra, acaba perdendo a 4º posição para Karl Wendlinger. É aí que começa o show.

Senna acaba retomando a trajetória normal e ultrapassa Schumacher, recuperando sua posição original de largada; até aí tudo bem. Sem tempo para respirar, Senna faz uma incrível e surpreendente ultrapassagem em cima de Wendlinger em um mergulho, como o próprio brasileiro descreveu no livro "Fórmula 1: Pela Glória e Pela Pátria", de Eduardo Correa:

"Foi no meio do "S" que tirei para fora e fui em frente. Foi uma manobra calculada porque eu sabia que ali o líder ia maneirar um pouco, o segundo mais um pouco, o terceiro mais um pouco e assim por diante. Todos teriam uma atitude, digamos, muito reservada, e ... (...) ninguém ia esperar isso, que eu estivesse seguro da velocidade ideal. Mas eu já estava suficientemente integrado, tinha derretido dentro do carro desde a primeira volta. Então executei a manobra. Vim embalado, tirei e passei batido, por fora, (...)".

Os que já ficaram espantados com a ultrapassagem em cima do austríaco ficaram quase sem palavras quando Senna rapidamente colou na traseira de Hill e, colocando o carro por dentro, ultrapassou o inglês. Ganhar duas posições já na primeira volta, com a pista molhada e após perder uma posição na largada, já estava de bom tamanho. Mas ainda tinha mais.

A geração das imagens da corrida, corretamente, tirou o foco de Senna, que já se distanciava de Hill, e mostrou Andretti e Wendlinger abandonando a corrida. E qual a surpresa dos fãs de F-1 ao verem, após a geração voltar a focar Senna, o brasileiro ultrapassando Alain Prost sem a menor cerimônia já nas últimas curvas do circuito? Tenho certeza que muitos brasileiros que acordaram na hora da largada foram lavar o rosto para ter certeza de que não estavam sonhando após verem uma volta sensacional.

A repercussão dessa volta espetacular é tão grande até hoje que o resto da corrida fica em segundo plano: quando se comenta sobre essa corrida, boa parte dos fãs de F-1 não falam que a corrida foi muito tumultuada, com milhares de pit stops, já que a chuva ia embora e voltava várias vezes (Prost teve sua corrida prejudicada pelos inúmeros pit stops que foi obrigado a fazer) e até que um certo jovem chamado Rubens Barrichello largou em 12º e pulou para a 4º posição na primeira volta. Na verdade, Donnignton 93 seria a Mônaco 84 de Rubinho, não fosse um problema na bomba de gasolina que fez o brasileiro abandonar faltando 5 voltas, quando vinha numa excelente 3º posição.

Como disse o mesmo Eduardo Correa no mesmo livro já aqui citado, "Donnington em 93 é a obra-prima de Senna, a Nürburgring-36 de Nuvolari, a Nürburgring-57 de Fangio, a Indianápolis-65 de Clark. Só um Grande Senhor das Pistas pode conseguir uma vitória como aquela.". Além de toda a corrida de Senna ter sido fantástica, proporcionou um momento mágico da F-1, que está imortalizado na história da categoria.

Bibliografia (e leitura obrigatória):
Fórmula 1: pela glória e pela pátria/ Eduardo Correa

6 comentários:

Vinicius Grissi disse...

Bela lembrança. Já tinha visto os vídeos desta corrida, e realmente é uma volta memorável do nosso piloto.

Blog F1 Grand Prix disse...

Já escrevi dois posts sobre essa corrida no F1 Grand Prix, e ainda poderia fazer vários outros. Como o Eduardo Correa disse, Donington-1993 foi a grande obra-prima do Senna. Pena que eu tinha só quatro anos de idade quando tudo aconteceu hehehe...

Grande abraço!

Gustavo Coelho

Daniel Leite disse...

Muito obrigado por nos fazer relembrar isto! Não há alguém capaz de prover este show na categoria, atualmente. Por isso, Senna foi o melhor. Não nos números, mas no espetáculo.

Até mais!

Leandrus disse...

Breves comentários:

Vinicius, o vídeo dessa primeira volta eu vejo quase todo dia; mas a corrida eu mal tenho coragem de ver: confesso que dá muita pena do desespero do Rubinho quando ele abandona no finalzinho da corrida...

Gustavo, eu tb era bem novo na época, tinha 5 anos; mas incrivelmente eu lembro de assistir isso ao vivo. Pra vc ver, meus pais falam que quando eu tinha 4 anos já conseguia identificar muitos pilotos pelo capacete. Agora eu não consigo mais isso: tem cada capacete tão espalhafatoso...

Daniel, infelizmente os melhores na categoria atualmente (na minha opinião, Raikkonen e Alonso) são pilotos que se destacam mais pela eficiência que pelo show. Estamos na torcida por um novo homem-show...

Ateh!

Blog F1 Trulli disse...

muito show msm
Foi um momento único, sempre vale a pena ver d novo (já vi várias vezes esse vídeo), afinal melhor piloto do mundo.
Ah e Rubinho eu nem comento nessa corrida... rsr

Abraço

Ciro

Felipe Hammes Rodrigues disse...

Infelimente, em 93, também tinha apenas meus cinco anos. Não lembro de muitos detalhes. Apenas de acordar cedo para (tentar, sem cochilar) assistir às apresentações do Senna.

O vídeo é excelente. É para guardar e mostrar aos netos. Como disseram, um show à parte proporcionado por Ayrton Senna "do Brasil".