quinta-feira, 10 de abril de 2008

Atitude na altitude

Depois de muita apreensão, o Flamengo foi jogar nos 3.400 m de Cuzco e acabou voltando com um belíssimo resultado: 3 a 0 em cima do Cienciano, que garantiu a classificação antecipada ao time da Gávea. A tão temida altitude que fez o clube protestar muito nos últimos dias foi bem controlada por todo o time, que jogou os 90 minutos num estilo cadenciado, priorizando o toque de bola e a calma.

Logo nos primeiros minutos, o Flamengo já mostrava que não forçaria muito o jogo para não sentir os efeitos da altitude; além disso, dava a impressão de que estava bem distribuído em campo, trocando passes com muita calma, tanto que em 10 minutos o time conseguiu chegar no ataque 2 vezes, mas sem causar muito perigo à meta peruana.

Porém, com o decorrer do jogo, o Flamengo começou a sumir; obviamente, o Cienciano se aproveitou desse fato e começou a criar jogadas de perigo. Aos 24 minutos, o veterano Bazalar chutou com perigo à meta de Bruno, que espalmou para fora. Aos 29 minutos, mais uma jogada de perigo do time peruano, mas a bola saiu por cima do gol de Bruno, sem muito perigo.

E o Flamengo ainda não conseguia se acertar em campo. Embora o time continuasse tentando tocar a bola calmamente como nos primeiros minutos de jogo, algum jogador sempre errava um passe, dando início a uma nova jogada de ataque do Cienciano: isso acontecia porque a bola estava correndo muito e os jogadores rubro-negros ainda não tinham se acostumado com isso. O time peruano criava a maioria das suas jogadas pela direita, tentando jogar nas costas de Juan, que nunca foi um jogador muito bom no quesito marcação.

O lance de maior perigo do primeiro tempo aconteceu aos 38 minutos. Após cobrança de escanteio (uma das várias a favor do Cienciano no primeiro tempo), um dos zagueiros do time local deu uma cabeçada perigosíssima que levou Bruno a fazer grande defesa. A partir daí, o melhor para o Flamengo era esperar o término do primeiro tempo sem tomar gols; o time precisava corrigir o toque de bola, já que os jogadores erravam passes em demasia.

Muitos flamenguistas ficaram preocupados com os primeiros minutos do segundo tempo. O time estava muito acuado, e quando roubava a bola do time peruano, não conseguia sair da defesa, tendo que apelar para chutões desesperados para Souza, que brigava muito lá na frente entre os zagueiros do Cienciano. E foi o mesmo Souza que deu a assistência para o primeiro gol do Fla, aos 8 minutos: após uma roubada de bola, Ibson puxou contra-ataque e tocou para Souza, que viu Renato Augusto quase livre na área; este recebeu ótimo passe do centroavante do Flamengo e, cara a cara com o goleiro Flores, não desperdiçou a oportunidade, marcando o primeiro gol do Fla.

O Cienciano sentiu o gol. Isso ficou tão claro que, dos 10 aos 15 minutos, o Fla chegou 3 vezes com perigo ao gol do Cienciano, podendo ter marcado o segundo gol tranqüilamente em qualquer uma dessas oportunidades. E as coisas ficaram ainda mais difíceis para o time peruano quando Bazalar foi expulso aos 17 minutos. Embora a expulsão tenha sido justa, fiquei surpreso, já que o árbitro dessa partida parava o jogo em vários momentos e não economizava nos cartões, ao contrário de muitos árbitros sul-americanos, que só marcam faltas quando elas são escandalosas.

A vantagem numérica era tudo que o Flamengo queria para priorizar ainda mais o toque de bola, fazendo com que o time prendesse a bola no campo do adversário por muito tempo. E aos 32 minutos, após mais um roubo de bola e contra-ataque puxado por Ibson, este esperou a passagem de Toró, que recebeu a bola e, num lance bem parecido com o gol de Renato Augusto, mandou para as redes e ampliou a vantagem rubro-negra para 2 a 0.

A partir daí, o Flamengo só esperou o tempo passar tocando a bola com muita calma; esse estilo cadenciado foi essencial para o time, já que os jogadores pouco sentiram o efeito da altitude durante o jogo. E o time da Gávea ainda teve tempo para marcar o 3º gol, nos acréscimos: Juan bateu falta com categoria e marcou um belo gol; o último gol de falta do Flamengo havia sido de Roger, no ano passado, na derrota de 3 a 1 para o Cruzeiro.

Essa certamente foi a atuação pra deixar qualquer torcedor rubro-negro empolgado: embora o Fla tenha passado por algumas dificuldades, principalmente no final do primeiro tempo, o time sempre batalhou em campo, teve muita dedicação e jogou sem se desesperar, controlando seus nervos; agora é saber se o time vai manter a mesma disposição e empenho domingo, contra o Botafogo, num jogo que certamente vai parar a cidade, principalmente por causa da repercussão da partida entre os 2 times na final da TG.

6 comentários:

Daniel Leite disse...

Confesso que o Flamengo me surpreendeu. Não é fácil vencer o Cienciano em Cuzco. Prova disso é que nos últimos anos Santos e River Plate já rodaram bonito na altitude. E o Flamengo jogou bonito, especialmente no segundo tempo, quando a equipe se portou de uma maneira fantástica. Para a Taça Rio, com a classificação já garantida na Libertadores, o Fla é favorito ao lado fo Flu.

Até mais!

Vinicius Grissi disse...

O Flamengo jogou, e isto bastou para vencer. Provou que altitude pode fazer alguma diferença, mas não é assim tão decisiva. No futebol, quem joga vence.

OCTETO RACING TEAM disse...

Leandrus ... o primeiro tempo foi dificil mas depois ... hehehehe

Eles foram lá e fizeram o dever de casa direitinho!!!Graças ...

E agora é esperar para ver o que acontecerá com o Botafogo! Jogo que será uma batalha!!! Afff ...

BJinhoss

Tati

Leandrus disse...

Breves comentários:

Daniel, eu sabia que a vitória era possível, mas não por 3 gols de diferença. Enfim, tudo graças à mesma determinação do último Campeonato Brasileiro, onde o Flamengo encarava cada jogo como uma decisão. Além disso, a preparação que o time fez durante um bom tempo foi fundamental para a vitória.

Vinicius, é verdade o que você falou; e se deve elogiar também a preparação que o time fez, fazendo várias simulações das dificuldades que a altitude oferece.

Tati, nem me fale sobre esse jogo contra o Botafogo, time que está alavancando a venda de lenços no Rio de Janeiro...brincadeiras a parte, o jogo vai ser bem difícil, e o alvinegro vai vir mordido pra cima do Flamengo, o que vai tornar o jogo bem tenso.

Ateh!

Loucos por F-1 disse...

Leandrus, vc viu o filme da Globo quarta feira? MASSACRE NO ALTO DO MORRO...hahaha
Mengão rumo ao topo do Mundo!!!

Abração!

Leandro Montianele

Leandrus disse...

Essa foi boa, Leandro! Espero ver esse filme mais vezes, hehehe!

Ateh!