domingo, 1 de novembro de 2009

Um retrato perfeito da temporada


E tivemos hoje, na F-1, o GP dos Emirados Árabes, em Abu Dhabi. Última corrida do calendário, a prova foi um retrato fiel, um digno grand finale da temporada que vimos em 2009: monótona, sem emoção alguma na pista, com raríssimas ultrapassagens e decidida na largada e nas primeiras voltas. Exatamente como vimos durante quase todo o campeonato.

Não bastasse as brigas por causa do difusor duplo e do regulamento, duelos desiguais entre a turma dos que tinham Kers e a dos que não tinham, montadoras abandonando o barco e deixando pilotos sem pai nem mãe, a ameaça de retirada de equipes tradicionais da categoria e até mesmo escândalos do passado sendo descobertos, tivemos que suportar corridas chatíssimas como essa em Abu Dhabi. Ou seja: vimos tudo aquilo que nos faz esquecer todos esses problemas fora da pista que temos que aguentar praticamente não existir. É como se o indivíduo que quisesse afogar suas mágoas não encontrasse um mísero amigo em casa ou visse todos os bares fechados em pleno fim de semana.

Foi vendo essa corrida e fazendo a retrospectiva da temporada que pensei: de que vale, então, passar por todos esses problemas para continuar promovendo GPs se elas se tornam cada vez mais verdadeiras procissões? Para que continuar a ter orçamentos exorbitantes a serem investidos no desenvolvimento de carros, orçamentos esses de valores inimagináveis há 15 anos? Para que isso se os carros cada vez mais não permitem uma única ultrapassagem? Para que tirar provas de circuitos clássicos para colocá-las em lugares sem tradição alguma no automobilismo, onde se gasta uma nota preta para criar pistas caríssimas e extremamente fascinantes visualmente, se as provas lá disputadas são um verdadeiro fracasso, quase sem pontos de ultrapassagem e desafios aos pilotos?

Foi difícil fazer corrida boa com isso aí em 2009...

Uma nota aqui: o povo quer ver corrida, não que os carros passam por cima de uma ponte, que a corrida começou de dia e terminou a noite ou como os iates são bonitos.

Pois é, para mim, manter campeonatos monótonos como o de 2009 não faz sentido. Sim, achei monótono mesmo. Pode ter sido muito legal ter visto a tal inversão de valores, quatro pilotos disputando o título, diferentes vencedores e pilotos chegando ao pódio, veteranos renascendo e um desacreditado ganhando um título, mas se houve sensação de emoção ou de um campeonato fora de série, como disseram na transmissão da corrida hoje, ela foi falsa. Na pista, não vi nada mais do que provas decididas nas largadas – se não nos treinos – ou então nos boxes. Brigas como a que tivemos hoje entre Button e Webber foram poucas. Bons momentos em provas, só lembro de ter visto na Austrália, Malásia, Bélgica – a melhor da temporada -, Itália e Brasil. A da Espanha pelo menos foi tensa demais. E pode ser que eu esteja forçando nesse rápido levantamento.

Espero mesmo que as coisas melhorem no ano que vem. Que tenhamos um campeonato equilibrado não só na tabela de classificação, mas também na pista. Gente tentando ganhar a primeira posição no braço, não largando mais pesado ou economizando combustível para assumir a liderança nos boxes. Elogiar pilotos não só por terem feitos provas consistentes e terem virado rápido o tempo todo mas também por terem sido arrojados. E que um dia os chefões da F-1 se reunissem e bolassem uma maneira de tornar as corridas mais atraentes. Mesmo que isso significasse a saída ou a modificação brusca de alguns circuitos “Tilkeanos” e menos dinheiro no bolso.

Mas India e Coréia vêm aí. E para Bernie Ecclestone, emoção na pista se resolve com a implantação do sistema de medalhas. Talvez meus desejos fiquem só no sonho mesmo. Ou então já estou ficando ranzinza demais e devo pensar em ver as corridas com uma carga de estresse menor...

Foto: www.gpupdate.net

9 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

foi uma sensação de mentira, de que ninguém estava esperando construir um espectáculo de automovilismo alí. foi sintomático como a FOM insistia em mostrar a paisagem

mesmo assim, fiquei maravilhado com Kamui Kobayashi, o japinha estava fantástico

Felipe Maciel disse...

Ranzinza é o Bernie. Ele está levando a F-1 para o lado errado, mas tudo o que ele enxerga é dinheiro. E o esporte se torna vítima dessa ambição.

2009 foi mesmo uma decepção. Carros pavorosos, difusor que fere a essência da perda aerodinâmica, manutenção da situação de poucas ultrapassagens. Tudo errado. E ainda esse ideia de medalha que não faz sentido algum. Imagina se tivesse implantado essa besteira, conseguiria tornar o ano ainda pior...

Felipão disse...

Leandrus... concordo...

até com referência ao fato da Mclaren ser considerada favorita para a prova e abandonar, deixando livre o caminho para a red bull

a temporada foi assim, com os grande fazendo feio e o caminho livre para os menores...

Vinicius Grissi disse...

Uma temporada interessante em alguns aspectos, estranha e decepcionante em outros.

Ano que vem será muito importante para a F-1. Se as novas regras não pegarem e mudarem definitivamente as corridas, a visibilidade do Campeonato pode diminuir bastante.

E a Ferrari com os números 7 e 8? Vai ser estranho de ver.

Net Esportes disse...

Não sou contra essas corridas, eu acho que se eles tem dinheiro que façam, que gastem, o problema e não estarem fazendo do jeito certom ou do jeito mais interessante para o torcedor ...... píor que isso só escutar 100 vezes seguidas o Galvão falando a mesma ladainha, enche o caso, só o "luz com fusco" ele deve ter falado 479 vezes entre sábado e domingo ..... santa paciência .....

Marcelonso disse...

Leandrus,


Já que torraram uma montanha de grana,que ao menos fizessem uma pista decente,serio o minimo.

abraço

Bruno Santos disse...

Para comportas todas os autodromos ruins, querem aumentar o calendário - 20 corridas. Eu prefiro bem menos.
Engraçado, que Portugal tem o circuito do Algarve, muito elogiado por todos, e que não consegue receber a F-1.

Ron Groo disse...

Não...
Não foi uma temporada atípica, pelo contrário. Foi tudo que muito fã de F1 pediu a Deus durante muito tempo.
Este ano tivemos o domínio total e irrestrito dos garageiros.
Você não leu mal não... Os garageiros mandaram na temporada como muitos de nós sempre quisemos que acontecesse.
E nem assim ficamos contentes...

Leandrus disse...

Breves comentários:

Felipe Maciel, não quero nem imaginar como seria 2009 com o sistema de medalhas. Acho que teríamos que apelar para São Judas Tadeu fazer com que alguém vencesse 6 provas e igualasse o feito de Button após o GP da Turquia...

Vinicius, vai ser sim um pouco estranho ver a Ferrari com os números 7 e 8. Mas isto indica uma temporada abaixo da média no ano anterior, como foi 2009 para os italianos. E isso já aconteceu outras vezes, principalmente nos seus anos ruins nas décadas de 80 e 90. Se antigamente os números não fossem fixos, a Ferrari teria que amargurar o 7/8 em 87, 88 e 93, por exemplo, e até mesmo a dupla 19/20 em 1981 (a equipe foi tão ruim em 1980 que ficou atrás até de outras como Arrows e Copersucar).

Netesportes, de certa forma sou contra porque sou fã dos circuitos clássicos. E perder corridas em lugares clássicos e que tem tradição de promover boas corridas para ver outras em pistas totalmente sem graça na Turquia ou no Bahrein me deixa um pouco incomodado.

Ron Groo, se formos ver por esse lado, eu tb fico contente com o sucesso dos garagistas e a saída em maior número das montadoras. Mas isso não foi o suficiente, porque as corridas esse ano foram muito monótonas, e é disso que tanto reclamo. Tão monótonas quanto nos anos em que as montadoras dominaram o circo da F-1.

Ateh!